QUEM SOMOS

the-next-chapter-1 (1)

“Conforte-se com o que tem e jamais saberá o que poderia ganhar”

J.F Rozza, nascido Jaderson Francisco Rozza,meus amigos me chamam de Jader.

Nunca fui muito fã do meu nome mas não que isso realmente mudasse alguma coisa, porque gostar ou não, não muda nada. Utilizo as iniciais J.F Rozza para assinar minhas obras.

Já fiz de tudo na vida, já ergui impérios, e já perdi tudo. Já errei e já acertei. Já fui a falência e já fali os outros. Já fiz terceiros enriquecerem e ficarem pobres.

Já fiz meus amigos ganharem muito e perderem muito.

Mas o mais importante é que nunca desisti de perseguir meus objetivos e consertar os erros. Tenho ideias boas e ideias ruins, hoje com toda experiência aprendi a tirar o melhor proveito das ideias boas e amenizar os prejuízos das ideias ruins. Jamais deixarei de tentar, não importa quantas vezes for preciso, tenho sede de realização.

Tive diversas empresas, desde publicidade, algumas revistas, investimentos, imobiliária, construtora e loja feminina.Em quase todas elas eu fui bem sucedido. Foi preciso uma vida para conquistar, e uma ideia ruim para quebrar.

O que eu aprendi com todas elas?

Nunca misture os negócios!

Quando a grande IMX, que era assim:

DSC01947

FACHADA EMPRESA


DSC00919

J.F ARROGÂNCIA E GENIALIDADE ANDANDO JUNTOS

Transformou-se nisso:

DSCN0169

DE VOLTA ONDE TUDO COMEÇOU! QUARTO NA CASA DA MINHA MÃE.

Teve um enorme impacto na minha vida e na minha família. Mas logo com muito sacrifício consegui dar a volta.

Qual a minha formação superior?

-Nenhuma. Abandonei o colégio antes de terminar o ensino médio.

Sempre acreditei que o estudo não era tudo, que o que mais importava era a força de vontade. A vida me provou que eu estava errado, se tivesse mais conhecimento, poderia nunca ter passado pelos sufocos que passei.

Sou brasileiro de nascimento, e gaúcho por benção divina.

É preferível o erro ao temor. É melhor tentar e errar do nunca tentar por medo.

Já nem sei qual é a minha profissão nos dias de hoje. Empresário,  investidor, escritor, designer, jogador de poker profissional, corretor de imóveis ou empreendedor.

Usarei do termo invento-empreendedor.

Idade: 29 anos
Aniversário: 06/04/1986
Carma: Confiar demais nas pessoas
Traumas: Faliu uma vez e tem que isso se repita novamente.


 BIOGRAFIA J.F ROZZA

QUEM É J.F ROZZA?

Bom pessoal, ao longo do tempo em que estou no #Clube dos Homens, fui chamado de líder, mestre e capitão. Acredito que ninguém deve seguir alguém que não conheça e não confie. Então, para ser merecedor do respeito dos meus imediatos, contarei a minha história de superação, além das conquistas como cafajeste. Fui bem sucedido na minha carreira como empreendedor e empresário, após alguns tombos que espero que ninguém nunca passe, me ergui e sai vitorioso mais de uma vez, e é essa força que eu venho tentando passar para vocês através dos ensinamentos do #Clube dos Homens.

“Somente um líder pode gerar outros lideres.”

Permanecerei aqui neste lugar por muito tempo, observando a evolução que acontece no dia a dia da vida de cada um dos meus seguidores, destes novos Alfa, e sabendo que, ao ajudá-los, eu conquisto o respeito e admiração, e isto para mim me basta.

Existe um enorme peso, acompanhado das palavras ”mestre” ou ”capitão”. Ambas são palavras que substituem liderança, e um líder vive a vida de cada um de seus seguidores.

Um homem de valor não é necessariamente um homem rico, é rico em espírito, em caráter, em dignidade, mas no mundo capitalista em que vivemos, se você quer ser alguém, se você quer algo, você tem que lutar por isso, tem que se esforçar, tem que ter coragem e ousar. Assumir alguns riscos quando precisar.

Para entender um pouco, eu vou falar sobre a minha trajetória profissional, o meu próprio despertar do Macho Alfa, como além de sempre ter a mulher que eu quis, eu fui capaz de conquistar tudo que sempre sonhei, eu não nasci em berço de ouro, eu conquistei tudo que tive, com muito suor e sacrifício, aprendi o “preço” das coisas, quando era jovem demais, enriqueci cedo demais, e óbvio, como toda pessoa sem instrução, não soube administrar e perdi tudo cedo demais.

PRINCIPIO DE TUDO

Vim de uma família simples, somos somente eu, minha mãe e minha irmã, meus pais se separaram cedo, e me distanciei do meu pai e de sua família. Eu sempre vi minha mãe se esforçar muito para que não faltasse nada para nós, e quando eu tinha onze anos, eu prometi para ela que nós jamais passaríamos por dificuldades novamente. Eu lembro como se fosse ontem, mas isso faz dezesseis anos já, nós estávamos numa janta da loja em que ela trabalhava, essas de final de ano, e minha mãe sempre falava pra nós, crianças gostam de refrigerante, mas eu e minha irmã tínhamos que comer primeiro e depois tomar, pois não poderíamos tomar dois refri cada um. Sempre tendo tudo contado e na medida. Neste dia, quando chegamos em casa, eu, com onze anos, prometi a ela que, enquanto eu respirasse, a gente nunca mais passaria por apertos como esses.

Fui forçado a amadurecer muito cedo, com 13 anos eu já tinha meu “micronegócio” próprio, eu fazia artesanato, essas pulseirinhas e correntinhas que hoje ninguém mais usa, mas naquela época era moda, eu vendia no colégio, nas calçadas, nos shopping, eu tirava um dinheiro legal, para um menino de 13 anos, mas como toda pessoa que nunca teve nada, ao ter, eu já na minha mente, transformei o dinheiro em algo que me trazia conforto imediato, então, quanto mais ganhava, mais gastava.

Com 15 anos, mostrei que as minhas idéias, não eram somente fantasia, e eram oportunidades de negócios. Montei minha primeira empresa, de webdesigner, com mais um sócio. Larguei os estudos para trabalhar. Não deu certo, eu não tinha conhecimento suficiente para desenvolver sozinho os projetos, e por mais que eu me esforçasse em aprender, era algo que eu não conseguia entender.

Com 16, anos comecei a trabalhar com o meu pai, ele tinha uma funilaria e instalava ar-condicionado, trabalho duro, passar os dias operando máquinas de dobrar chapas de ferro, instalar calhas e ar-condicionado em casas, pendurado numa escada a dez metros de altura, realmente não era algo que eu queria para o meu futuro. Algumas tardes, minha companheira era uma marreta, e eu passava as tardes abrindo parede com uma marreta e uma talhadeira, para que os canos dos ar-condicionados passasem por ali. Foi sofrido, mas me ensinou muitas coisas. Meu pai mesmo sabia que não era aquilo que eu deveria fazer do meu futuro, e mandou eu ir fazer uma entrevista numa empresa de comunicação visual. Eu entendia de computador, mas nunca tinha ouvido falar em corel draw, photoshop, o quase extinto pagemaker, achei que era uma vaga para digitador.

Então, na entrevista, eles pediram se eu sabia fazer o que o cargo exigia, e eu falei que sabia, então me levaram numa sala, abriram o corel draw e me falaram para eu criar alguma coisa. Então, eu falei, bom é assim, eu não sei, mas se eu puder fazer o teste amanhã, eu saberei. Então, o teste foi marcado para o dia seguinte. Saindo de lá, eu fui direto na gráfica de um amigo meu, e pedi se poderia usar um computador ali para aprender sobre corel draw. Ele me permitiu e eu fiquei 24horas mexendo no programa, aprendendo. No dia seguinte, eles fizeram o teste e então eu passei, mas o chefe me falou, que iriam me contratar igual, e me ensinar, porque eu mostrei um interesse que poucas pessoas têm. Essa minha história de determinação em aprender, é contada até hoje nessa empresa sempre que um funcionário desanima ou acha que não conseguirá cumprir suas obrigações. Nessa empresa, não irei citar o nome, eu aprendi tudo sobre criações gráficas, corel draw, photoshop, operação de máquinas de corte, tudo.

Descobri que eu era uma pessoa criativa, e logo minhas criações conquistaram meus chefes. Mas foi bem sofrido poder trabalhar nessa empresa, eu morava do outro lado da cidade.

Pegava um ônibus as 6h30 para chegar lá às 7h30, e depois mais uns vinte minutos de caminhada, eu começava a trabalhar às 8h30, mas o pavor de me atrasar para um compromisso sempre me atormentou, então eu chego sempre antes nos meus compromissos. Não gosto de esperar e não gosto de fazer as pessoas esperarem por mim.

Não dava tempo de ir almoçar em casa, então, nos dois primeiros meses, quando tocava a sirene para o almoço, a empresa fechava e todos iam para casa, eu ficava ali sentado no portão, esperando a empresa abrir novamente. Uma hora e meia ali, no sol, morrendo de fome, sem nenhum mercadinho ou bar por perto. Nos dois primeiros meses, foi assim, à tarde eu trabalhava com um buraco no estômago e, às vezes, a cada trimestre, tinha uma competição de rally na cidade, e a empresa ficava corrida demais, e eu fazia horas extras, às vezes trabalhava até às 3h da manhã. Meu chefe, um dia, ou em mais de um dia, ele me viu sentado ali na frente, e não demorou para me convidar a almoçar com eles na casa dele, que era do lado da empresa, eu não aceitei, pois seria um incômodo, um desconhecido comendo junto à mesa dele, então ele me propôs que eu levasse meu almoço, a empregada dele esquentava e eu poderia comer no galpão da empresa, tinha até um sofazinho para descansar. Ocupava meu horário de meio dia lendo algum livro, que é até hoje minha paixão. Leio no mínimo um livro por semana. Nessa época, eu até tentei voltar a estudar, mas trabalhar tanto durante o dia, e a noite estudar, eu logo fui vencido pelo cansaço. Trabalhava o dia todo, e para ocupar a noite, eu comecei a pegar uns trabalhos freelance de criações gráficas, coloquei anúncio no jornal e logo eu tive um complemento para o meu salário, que na época era de R$ 400,00. Devo muito ao seu Paulo Campos e Roberto Campos, donos dessa empresa. Eles me ensinaram muito do que sei hoje, e são meus amigos até hoje.

Logo, a necessidade de ganhar mais me fez procurar outro emprego, por sorte, vi um anúncio do jornal, que precisavam de diagramador para trabalhar no jornal local, horário de trabalho era das 18h até as 24h.

Então, além de um segundo emprego, eu consegui manter o meu atual. Eu ocupei o meu dia inteiro com trabalho, estava ganhando quase R$ 1000,00 por mês. Há 16 anos, isso era um bom salário, para um rapaz de 17 anos. E eu ainda tirava um extra com os trabalhos da minha própria empresa, coisa entre R$ 200,00. E no jornal, eu também gravava DVDs e CDs para os funcionários, ganhava mais uns trocados. Estava excelente, e por um ano, eu me contentei com aquilo. Mas não era o suficiente, nunca é.

Afinal de contas, eu ainda tinha o final de semana livre não é. Não pensem que eu não vivi, porque eu aproveitei muito essa fase igual, eu saia na sexta e sábado, festas e afins, eu só não dormia muito, umas 3h por noite eu acho, mas meu corpo aguentava, e não tinha problemas. Por uns três meses, eu trabalhei nos finais de semana nessa gráfica do meu amigo, mas eu estava muito magro, sempre cansado, percebi que era hora de focar em alguma coisa. Logo, abri mão do emprego na área de comunicação visual, pois assim eu ainda teria um salário fixo do jornal, e poderia trabalhar com a minha própria empresa, e levá-la mais a sério.

Pedi demissão, meus chefes não aceitaram, ficaram até bravos comigo um tempo, mas enquanto fiz os trinta dias tudo ficou bem, eu ensinei outro rapaz que me substituiu. E no último dia de trabalho, meu chefe, Roberto Campos, me deu uma carona até em casa. E quando eu sai do carro, ele me falou que eu seria muito bem sucedido, por ser esforçado, batalhador e dinâmico.
Que ele tinha certeza absoluta que eu seria bem sucedido.

Essa crença dele em mim me deu mais força para buscar a realização dos meus sonhos.

Então, no jornal, fui promovido, por assim dizer, de diagramador para arte-finalista, e meu horário de trabalho foi mudado, iniciava às 14h e iria até meu trabalho acabar, às vezes, até de madrugada. Novamente, eu não poderia estudar. Fiz 18 anos, e com carteira assinada, fiquei dois anos no jornal, alternando com os trabalhos da minha própria empresa.

cartao aprovado JRX

Quando eu estava no jornal, eu via sempre a mesma reclamação dos anunciantes, a baixa qualidade de impressão dos anúncios, do caderno imobiliário, e isso ficou na minha cabeça um tempo, até eu conhecer um senhor, que tinha uma filha que morava nos EUA, e por baixo da mesa, eu entreguei um cartão de visita para ele, e falei que, se ele precisasse de artes, placas, cartão de visita, ele poderia me ligar.

REVISTA CATÁLOGO DE IMÓVEIS

2 edicao

EDIÇÃO 02

01

EDIÇÃO 03

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EDIÇÃO 04

EDIÇÃO 04

EDIÇÃO 05

EDIÇÃO 05

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EDIÇÃO 06

EDIÇÃO 06

EDIÇÃO 06

EDIÇÃO 07

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EDIÇÃO 08

EDIÇÃO 08

EDIÇÃO 09

EDIÇÃO 09

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EDIÇÃO 10

EDIÇÃO 10

EDIÇÃO 11

EDIÇÃO 11

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EDIÇÃO 12

EDIÇÃO 12

EDIÇÃO 13 CAXIAS DO SUL

EDIÇÃO 13 CAXIAS DO SUL

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EDIÇÃO 14 CAXIAS DO SUL

EDIÇÃO 14 CAXIAS DO SUL

EDIÇÃO 15

EDIÇÃO 15

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EDIÇÃO 16

EDIÇÃO 16

EDIÇÃO 17

EDIÇÃO 17

2


“A revolução começa onde termina o conformismo.”

DSCN1571

16 ANOS. CABELUDO E DE BRINCO NA ORELHA. NÃO IMPORTA O SEU ESTILO! QUEM É CAPAZ FAZ ACONTECER!

DSCN1573

JAN. 2007 JÁ COM AS PRÓXIMAS 6 EDIÇÕES GARANTIDAS

Passou um tempo, ele me ligou, que precisava de umas placas e quando fui ao escritório dele, eu vi uma revista dos Estados Unidos, do mercado imobiliário, era preta e branca, papel de jornal, mas era a idéia que eu precisava, eu pedi a revista emprestada e fui embora, esqueci placa, esqueci tudo, e no outro dia eu cheguei com a idéia formulada, revista do mercado imobiliário, Catálogo de Imóveis, ele gostou da idéia, e fizemos a primeira revista da imobiliária dele. Foi simplesmente um sucesso total.

Não cobrei nada dele, só o custo da gráfica, e pedi que cada imóvel que ele vendesse da revista, ele me desse R$ 500,00. Logo eu ganhei mais do que poderia ter cobrado como artefinalista. E o melhor de tudo, minha idéia deu certo e foi um sucesso. Então a segunda revista, eu abri para todas as imobiliárias, todas poderiam anunciar, pagando o valor da página, e a revista era distribuída gratuitamente em locais estratégicos que pudessem ter um potencial comprador para os imóveis.

A segunda revista foi um sucesso, lucrei quase 30 mil, a terceira, quarta, quinta, fiz 13 edições, um lucro formidável. Em dois anos de catálogo de imóveis, eu havia acumulado um capital de 350 mil reais. Com 20 anos, eu tinha um capital desses, iniciado do zero. Mas, a ganância é um monstro incontrolável. Não estava bom, então decidi fazer essa revista em outras cidades, fui a Santa Catarina, mais algumas cidades do Rio Grande do Sul, fiz duas revistas fora, e conheci uma empresa que vendia outdoors, logo surgiu mais uma empresa, de outdoors, não rendeu muito, mas como eu tinha alguns outdoors disponíveis, eu procurei um produto bom para vender e montar mais uma empresa, comecei com máquinas de café expresso, e tudo correu bem por um tempo.

“Perdendo o CONFORMISMO ganhamos  EVOLUÇÃO na mesma PROPORÇÃO”

Então, com vinte anos, eu conheci a bolsa de valores, um amigo meu me recomendou, eu tinha 400 mil para investir, confiança, negócios estabilizados, estava tudo às mil maravilhas.

Então, como qualquer amador que sonha em triplicar seu dinheiro na bolsa de valores da noite para o dia, eu iniciei os investimentos, perdi 40% nos primeiros quatro meses.

Foi sempre tão sofrido ganhar, e perder assim tão rápido pareceu o fim do mundo, eu tinha dois caminhos a seguir, ou eu desistia, realizava o prejuízo, ou eu abria mão das outras empresas, e me especializava nisso. Foi o que eu fiz, abri mão de todos os outros negócios, fiquei só com o catálogo de imóveis e a bolsa de valores. Nem preciso falar para vocês, que eu sou uma pessoa dedicada e quando coloco algo na minha cabeça, ninguém muda.

Da PROBREZA para RIQUEZA:

Devorei todos os livros sobre investimentos, análise técnica, tudo sobre o assunto, sabia das notícias, tudo que acontecia, sabia o nome do diretor, os resultados de todas as empresas negociadas na bolsa, não medi esforços, dizem que para você se tornar um expert em alguma coisa, você deve praticar dez mil horas, bom eu devo ter lido mais de cem mil páginas de livros sobre investimentos.

Então, voltei a investir, em pouco tempo eu inverti o gráfico, e já estava lucrando novamente. Voltei ao meu capital, e em seis meses já tinha um lucro razoável, então veio a crise de 2008, e foi ali que criei a minha fortuna, não posso dizer exatamente como, mas todas as ações caíram muito, e eu resolvi arriscar em um papel, que eu vi muito potencial, era um “mico” na época, uma ação terceira linha, estava em 0,55 centavos a cotação, ninguém colocaria tanto dinheiro em algo assim, mas tudo indicava uma reversão, a crise estava passando, e logo as ações se recuperariam, os resultados estavam favoráveis, o gráfico indicava formação de fundo e reversão de tendência, então eu coloquei, tudo o que tinha nessa ação, comprei a 0,55. Duzentos e treze dias depois, eu vendi a mesma ação, por 3,89. Transformei meu capital em uma pequena fortuna, e não foi um golpe de sorte, eu sabia exatamente o que estava fazendo, entrei na ação ajustando um stop loss (proteção para evitar perdas muito grandes) para 0,42, e o stop gain deixei sem nada, e dia após dia eu ia subindo o stop gain, calculando a correção da subida para não vender a ação sem querer, e fui cuidando as noticias, fui cuidando tudo, até vender com um grande lucro. A ação foi a seis reais em um ano, mas eu sabia que o meu ganho já estava formidável e não precisava crescer tanto o olho assim.

Com 21 anos, eu estava milionário, completamente realizado, e logo, o dinheiro subiu à cabeça, os valores se perderam, e eu me tornei arrogante e considerava a mim mesmo o super-homem dos negócios.

O “SUPER-HOMEM” dos negócios

DSC_0102 DSC00919 DSC01947

eifel

FRANÇA – PARIS

DSC02213

CARIBE

Até essa fase da minha vida, o avião da minha carreira só subiu, e por três anos eu aproveitei a vida, fiz tudo que queria fazer, viajei o mundo, aprendi inglês sozinho para poder viajar, só assistindo a filmes e escutando música, ganhava bem com a bolsa, era tudo um sonho. Mercado imobiliário estava em alta, e logo surgiram as idéias de criar uma construtora e uma imobiliária. Então, começou a minha decadência.

Ao completar 24 anos, eu criei uma imobiliária e uma construtora, empreguei os amigos, as pessoas de confiança, familiares, uma tia, minha irmã, primas, e a minha mãe não era mais funcionária de loja, era dona de uma loja que eu montei para ela, estava tudo prosperando. Então, eu havia chegado tão longe por puro talento e dedicação, mas conhecimento é necessário, é preciso estudo.

A QUEDA do “Super-Homem”.

Coloquei terceiros no comando da empresa, tanto como no administrativo, e eu ficaria somente nos meus investimentos.

Gastei uns trezentos mil para montar a estrutura da empresa, ficou top, mesas de quatro mil reais, cadeiras de mil reais, ostentação pura e incontrolável, estruturas em vidro que custou uma pequena fortuna, tudo isso em uma sala que não era minha, era alugada, aí já começavam os erros, peguei um sócio que eu considerava uma pessoa boa no ramo, mais alguns vendedores, eu pagava salário fixo para o corretor e ele não dependia somente das comissões.

Os resultados não vinham, não saía venda, a desculpa era sempre a mesma, que era uma empresa nova, que estava começando, e assim foi por mais de um ano, uma despesa operacional mensal de vinte mil, e sem retorno. Então, o senhor esse, pediu para se afastar da empresa, e tempos depois descobri que ele havia feito alguma vendas e não me passado a comissão. Com isso, fiquei eu, com uma empresa em que eu havia investido uns seiscentos mil reais até o momento, sem ninguém competente no ramo, com amadores, sem entender nada, e praticamente recomeçamos do zero, pois os clientes que nós tínhamos atendido, o sócio levou para ele, de bobo não tinha nada.

Com uma despesa tão alta, eu logo tirei o salário dos corretores. Passavam a ser comissionados, então, juntando os maus resultados da empresa, os meus custos pessoais, e um erro de investimento, fiz um investimento em um sonho, que até hoje não deu resultado, eu logo reduzi meu capital a uns quatrocentos mil. É fácil hoje, olhar para trás e ver os erros cometidos e o que poderia mudar, mas na época, a empresa era como um filho que estava morrendo, enquanto eu pudesse, eu tentaria fazer com que ele se salvasse.

ILUSÕES FORA DA REALIDADE

Logo os quatrocentos viraram duzentos. Então eu tive mais uma grande idéia, de construir um condomínio de luxo, pois eu tinha alguns clientes já para comprar as casas, seriam germinadas, de luxo, estava tudo na mão, pré-contratos feitos, era só comprar o terreno, encaminhar os papéis, assim que tivesse as autorizações de construção eu poderia receber o dinheiro dos clientes, eram quase três milhões, o dinheiro que eu precisava para reverter esses três anos de prejuízo e completar a obra.

Condomínio A08 CON01Condo 01Condominio 01 copyCondomínio A04Condominio 003

FACHADA CONDOMINIO


Aí que a coisa ‘enfeiou’ de vez, eu já não tinha o dinheiro para comprar o terreno, pagar o projeto e as taxas tudo que era preciso, então eu me afundei, me endividei, peguei dinheiro emprestado com alguns investidores, a juros altos, alguns me tiraram até o rim, e consegui comprar o terreno, que custou seissentos mil reais, eu coloquei tudo que me restou, e quatrocentos que não eram meus nesse projeto. Fiz em três vezes o terreno, paguei a primeira, paguei a segunda com muito sacrifício, pegando cem mil emprestado do banco, que um mês depois eu tive que devolver, pois o gerente liberou sem ter a aprovação, ele liberou por conta, devolvi o dinheiro para tentar não prejudicar o gerente, mas ele foi demitido igual.

Quando chegou no dia de pagar a terceira parcela, o investidor que me prometeu os duzentos mil para o dia, não me deu o combinado, várias desculpas, passou dez dias e nada, passou vinte dias e nada. Então, sem ter de onde tirar, cancelei a compra do terreno, deixei de ganhar três milhões que estavam praticamente na mão, hoje eu lembro das palavras que o único que chegou para mim e falou que eu estava errado em fazer isso, e eu não escutei, meu amigo, Rafael Barbisan, que me falou para prometer e comprometer somente o dinheiro real, o que está para vir é irreal, ainda não existe, mas eu não escutei.

Há quem diga, que eu quebrei por puro orgulho, e isso pode até ser verdade, porque outra empresa se ofereceu para negociar o terreno e realizar o meu projeto, e eu não quis passar minha idéia para eles, e acabei cancelando a compra do terreno, e só de multa que eu tive que pagar, deu 120 mil reais. Diminui mais isso do meu precário patrimônio. E o pior de tudo, os investidores exigiram o ganho que eu havia prometido, eu para não me incomodar, paguei, queimei apartamentos, para pagar as despesas, os juros, vendi meu carro, meus terrenos, fiquei sem nada.

Então, como manter a empresa funcionando? Comecei a pegar do lucro da minha loja, logo do lucro, peguei o capital, e logo não tinha mais dinheiro para comprar novas mercadorias, a loja faliu. A construtora faliu. A única coisa que ainda estava funcionando era a imobiliária. Mas eu não era o mesmo mais, de uma vida milionária quando iniciei, eu estava devendo dinheiro agora. A depressão me pegou de jeito, parecia que todos que me olhavam me condenavam, eu não conseguia sair de casa, eu ficava dia após dia me torturando, por essas coisas terem acontecido, eu não ia mais trabalhar, deixei a empresa na mão das pessoas que eu considerava de confiança.

A depressão:

Fiquei nessa depressão dois anos. Eu estava noivo, e minha noiva ficou comigo esse período inteiro, me dando forças. Mas não era suficiente, ninguém no mundo pode entender o que passei, não ter coragem de sair na rua, ter que lidar com cobranças, eu que sempre fui “o cara”, ter que aguentar desaforo de cobrador. Inventar desculpas, enrolar, sem ter a coragem de admitir que havia falido, o famoso orgulho. Eu havia desistido de viver, tomei uma cartela de remédios faixa preta para dormir, doze comprimidos, era o fim para mim, havia desistido de tudo. Acordei no dia seguinte com uma leve dor de cabeça, nem morrer eu conseguia.

Passou alguns dias, eu tentei de novo, tentei me enforcar com dois cintos de couro, foi a pior sensação do mundo, acordei um tempo depois, a fivela de um dos cintos havia arrebentado.

Percebi que não iria conseguir, eu não tinha arma para me dar um tiro. Um tempo passou, e eu decidi tentar fazer a empresa reagir, trocar a sala para uma menor, fui viajar numa sexta feira para a fazenda do irmão da minha avó, para relaxar e tentar organizar os pensamentos para reiniciar, ao retornar na segunda, eu vou para a empresa, e ela está vazia. Dois funcionários de confiança, haviam roubado todos os móveis, e montado outra empresa para eles, alegando que eu devia dinheiro de salário de outra coisas, levaram quase cinquenta mil em móveis, dois outdoors e receberam as comissões em meu nome, comissões que eu nem sabia que tinha para receber, eu já não me importava com a imobiliária.

Devolvi a sala ao locatário, deixei toda a estrutura em troca de alugueis atrasado, que os administradores não pagaram, assumiram somente o ativo e os passivos ficaram para mim e, cheguei ao fundo do poço.

A depressão era absoluta, não queria mais nada, não tratava bem a minha noiva, só queria morrer de uma vez. Fui fraco, me entreguei completamente. Passava meus dias jogando poker online, na tentativa de “acertar” algo e ganhar alguma coisa, descobri um talento que eu não sabia ter, consigo ler as pessoas facilmente, e é possível viver do esporte poker, desde que você tenha uma base, e não desespero que era o meu caso, é difícil você viver disso, não existe salário, não existe certeza de recompensa pelas maratonas de 15 horas na frente do computador. Eu consegui ser lucrativo, cheguei a final de vários campeonatos, mas como tinha que sacar os lucros sempre que ganhava, não consegui evoluir e ficava só nos campeonatos baratos. Seis meses jogando poker, eu havia ganho uns dez mil reais. Mas para mim, com passivos ainda da empresa falida para pagar, não era o bastante, precisava de uma grande idéia, ou de algo pelo menos certo no final do mês.

Fora que eu atraia todo tipo de energia negativa, e era impossível eu conseguir ter alguma “sorte”, falido e com uma divida de trezentos mil reais que adquiri com investidores e não consegui honrar.

Quais seriam as alternativas? Morrer? Fugir?

Então, algo cruel aconteceu, um dos investidores que, por incrível que pareça, era o único que era meu amigo, mandou um email ameaçando a minha noiva, foi covarde da parte dele, e por muito tempo eu só pensei em vingança. Eu precisava de ajuda, ou não iria conseguir, mas ninguém ajuda um falido, quando você quebra, as suas realizações, por maiores que sejam, não importam mais, tudo que você disser, vai parecer bobagem, as pessoas tratam você como uma criança que não sabe o que está falando, esqueça a ajuda de alguém se um dia estiver em apuros.

Nesse momento, a possibilidade de um emprego em outra cidade fez com que eu me afastasse de tudo, fui para lá, consegui um emprego, mantive meu relacionamento a distância, eu não queria saber se dava certo a distância ou não, só sabia que era uma fase que iria ser superada, que eu e a minha noiva éramos uma família, e eu iria conseguir. Infelizmente, só eu pensei assim, enquanto eu estava longe batalhando, ela aprendeu a viver sem mim, e percebeu que a vida seria melhor assim, e me deixou.

Um obstáculo apareceu, precisava de carro para trabalhar, meu primo morava nessa cidade e me ajudou a financiar um carrinho. Então, tudo ocorreu bem, por uns 45 dias, eu ganhei um salário bom, meu ânimo mudou, minha vida parecia que estaria voltando aos eixos. Fiz um plano, um ano trabalhando nesta empresa, eu me capitalizaria e voltaria a investir na Bolsa, usando uma fórmula de investir que inventei. Por mais incrível que pareça, não tomei processo de ninguém, de nenhum investidor, tomei uma trabalhista apenas, da minha tia, sangue do meu sangue, ela era do administrativo da empresa, a própria família me ferrando. E eu que a contratei na intenção de ajudar a crescer. As pessoas só são boas enquanto estão tirando proveito, quando surgem as dificuldades ninguém apoia ninguém.

Estava devendo trezentos mil, iniciando uma carreira nova, tentando esquecer tudo que passou. Vinha nos finais de semana ver a família e a noiva, parecia tudo estar indo bem.

Então, ao voltar para Porto Alegre, sou parado numa blitz, e é constatado que minha habilitação havia sido suspensa, decorrente de umas multas, 28 pontos na carteira, de uma moto que eu havia vendido com contrato de gaveta, mas na depressão que eu estava não pensei em ir no DETRAN avisar que a moto não era mais minha. Tomei uma suspensão de dois anos sem poder dirigir, fui parar até na Delegacia, porque é crime dirigir com a carteira suspensa. Nesse momento, na delegacia, ao lado de bandidos algemados, eu me perguntava, seria isso alguma maldição? Seria possível que eu havia morrido e isso seria o inferno?

Não, isso é apenas consequencia de fazer negócios mal feito e sempre deixar uma ponta solta.

A vida estava me fazendo de bobo, me torturando o máximo possível.

Perdi o emprego, logo não poderia nem pagar a parcela do carro mais, estava ferrado totalmente. Não tinha mais como ir para casa nos finais de semana. Então, meu noivado, foi descartado por MSN. Nessa altura, eu nem queria perguntar o “porquê” porque eram claros os motivos, minha ausência, minha depressão, eu não implorei, eu queria libertá-la pois não tinha mais nada a oferecer, eu estava morto sem ter como me erguer.

Nesse momento, largado pela noiva, falido, endividado, na porta do inferno e ele tentando me puxar de todo jeito, sem poder dirigir, sem futuro mais, um cadáver ambulante. Foi a fase mais ferrada da minha vida. Cheguei ao fundo do fundo do fundo do poço, morrer era o mais honrado a se fazer, eu liguei, num sábado à noite para a minha mãe, me despedi dela e falei que não poderia viver mais dessa maneira, não havia mais nada me prendendo a esse mundo. E eu tentei novamente, eu sou péssimo nisso, ainda bem. Foi a terceira e última tentativa de suicídio. Hoje vejo a fraqueza que eu estava, sem uma base, sem alguém para me aconselhar, acabar com a própria vida não é a saída para nada, não importa o sofrimento, ele passa. Algumas pessoas devem pensar, ‘o cara tentou se matar só porque faliu’, mas não é o motivo e sim, a dor que leva a isso, se você precisa de ajuda, procure-nos. Passei por isso, posso salvá-lo.

Uma amiga me fez ir procurar um psicólogo, eu não queria saber disso, mas para agradar eu fui, ele fez uns testes de QI comigo, e constatou que eu tenho um QI de 169 num teste em que a média mundial é 120, e que não me receitaria nenhum remédio, para não mexer com a química do meu cérebro, e que nós deveríamos curar minha depressão, com terapias e conversas. Não preciso nem dizer que nunca mais apareci no consultório dele.

Estava morando num quarto emprestado, na casa da minha tia, era um quarto de uns 4m², era o que eles podiam me ajudar, eu não quis voltar para casa, pois não tinha nada para mim lá, achava que precisava de uma cidade nova para recomeçar, tudo isso, porque eu tinha vergonha de encarar de frente o meu passado. Meu primo sempre foi um grande amigo, sempre fomos unidos na infância, e grandes amigos desde sempre. Ele, ao ver, e falar que sempre acreditou em mim, resolveu me ajudar, mesmo que isso pudesse sacrificar todo o seu futuro, o seu relacionamento. Ele tentou e conseguiu ser demitido do emprego em que estava há anos, para receber seus direitos, e me deu toda a sua rescisão, e fez mais um empréstimo no banco. Endividou-se, assumiu um enorme risco por mim, e com isso, eu pude ver uma luz no final do túnel, eu sabia investir, eu tinha o talento, e eu fui guiado pela determinação, pelo ódio de tudo que aconteceu, a raiva, existia uma enorme necessidade de provar o meu valor.

Quarto onde eu morei de favor, nessa fase eu não tinha mais nada a partir de um computador eu precisava recomeçar.

IMG_0677

AGRADECIMENTOS A SIRLEY QUE ME DEU UM TETO QUANDO PRECISEI

IMG_0678

QUARTO EM NOVO HAMBURGO

Eu sabia que tinha um diferencial, o psicólogo me dizer que eu tinha uma inteligência acima da media, no nível “gênio” foi uma injeção de ânimo que eu não sentia há muito tempo.

A Fênix

Aí começou novamente a minha subida. Com 26 anos, eu já havia experimentado a riqueza extrema, a pobreza, as dificuldades, meu currículo de conhecimento estava atualizado, eu aprendi com tudo, parei de me queixar com a vida, e resolvi dar a volta e não desistir enquanto respirasse. Inventei uma fórmula para ganhar dinheiro através do poker online, sem precisar lucrar, baseado na mesma forma que uso para investir na bolsa. Pequenos ganhos que somem 60% das operações. Existem recompensas para quem ganha pontos de frequência de jogo no Pokerstars, chamados supernova elite, pode procurar aí no google. Quando você atinge a marca, você ganha um bônus que dá em torno de trezentos mil reais. Basta ser bom e dedicado. Montei uma estratégia, quinze horas diárias, e não demorou muito para os resultados aparecerem, não cheguei ao supernova elite, mas ganhei muito igual. Não sou viciado, e ao me capitalizar, abandonei o poker, porque sou empresário e não jogador. Um dia praticarei o esporte como lazer.

E isso foi o suficiente, dominado por uma determinação sem limites, com essa nova capitalização, eu voltei a investir, voltei a ganhar, logo encarei todos os credores, e expliquei a situação, todos entenderam e pouco a pouco eu fui quitado as dívidas.

Assim que me ergui, a primeira coisa a fazer foi confrontar os débitos que a minha empresa falida havia deixado, isso mostra caráter, um homem paga suas dívidas, não decretei falência, não queria ser visto como devedor, eu peguei emprestado, e eu iria cumprir a minha palavra.

A segunda coisa que fiz, foi tentar reatar com a minha noiva. Mas quatro meses após terminar um noivado, ela já estava se relacionando com outro, fiquei sabendo que o luto dela não durou nem semanas. Cada um sabe o valor que tem.

Força de caráter ninguém jamais tirará de mim. Confesso que foi frustrante e estressante, mês a mês, pagar mais de dez mil mensais em dívidas de algo que já havia passado, imagina você comprar um carro, fazer em sessenta vezes, roubam o carro no primeiro mês, mas você ainda tem que continuar pagando, foi mais ou menos assim que me senti.

O bom negócio estava pagando o mau negócio e minhas más escolhas.

Abri uma empresa em Novo Hamburgo, fiz o Catálogo de Imóveis novamente, foi um sucesso, um lucro enorme, e eu cedi metade do lucro a outro grande amigo, Sullivan do Canto, que me ajudou a vender as páginas, ele merecia, ele me ajudou quando eu estava no inferno, pois nunca conseguiria sem ele. Hoje, ele está bem e mantemos nossa amizade como sempre foi. Fato curioso, ele foi meu funcionário na empresa, achei ele um bom vendedor e contratei, não tinhamos vínculos anteriores, sempre achei que se alguém fosse me fazer algo seria alguém de fora, o caráter dele provou o contrário. Me levava onde eu precisava ir sem esperar nada em troca, me ajudou muito mesmo. As pessoas tem o dom de surpreender você. Quem você confia pode trair, e quem você nunca imaginou, pode vir a ajudar.

Rapidamente evoluindo o local de trabalho

IMG_1241

O CARA A QUEM DEVO MUITO! MEU PRIMO E MEU IRMÃO

IMG_1235

É POSSÍVEL ERRAR, CAIR APANHAR DA VIDA VOLTAR A SORRIR. DESDE QUE NUNCA DESISTA.

Eu estava investindo, logo comecei a construir umas casinhas populares, você deve pensar que eu estou martelando na mesma tecla do mercado imobiliário, né, mas o meu fracasso se deu por falha da habilidade administrativa, irresponsabilidade e depender dos outros.

Imagem 02

PROJETO ARQUITETONICO

DSCN0718

CASA 30%

DSCN1275

CASA 01 95% CASA 02 20%

Assim, pesando os lucros ganhos nas casas, tive a idéia de parar de pagar mensal os credores e, ao invés de pagar mensal, eu usei as parcelas para construir casas, eu fiz três casas, nas quais gastei 55 mil cada, e entreguei cada uma pelo valor de mercado, 120 mil reais. Então, com 150 mil eu quitei todo o meu passado por assim dizer.

REPETINDO ERROS DO PASSADO

Nesse momento da leitura, você acredita que vai ler a frase “e ele viveu feliz para sempre.”

A vida não é um conto de fadas, e certas manias são dificeis de irem embora. Na minha angustia de começar a construir o quanto antes, acabei contratando uma construtora que foi indicada por uma corretora. Não fui atrás de referencias, cai no papinho de vendedor. Como podem imaginar, eu mesmo tive que concluir a obra, e foi uma dor de cabeça extrema, pois as duas casas estavam vendidas, e a construtora embolsou o dinheiro e abandonou a obra. Precisei perder mais uns $ pagando multa aos compradores para aprender de uma vez por todas, se você quer algo bem feito, faça você mesmo! E mais importante, não se afobe na hora de fazer negócios.

Eu não queria eu ter que contratar pedreiro, ir atrás de material, papel de prefeitura e afins, queria contratar alguém que fizesse tudo e me entregasse a casa pronta. Para variar o querido gênio que confia demais nas promessas, tomou um tufo e acabei não obtendo nenhum lucro na obra, somente prejuízos.

Como se a vida me desse o último puxão de orelha. Alguém deve estar muito puto da vida comigo lá em cima, de tanta lição que precisa me ensinar.

Enfim, juntei minha equipe, terminamos a obra, como demorou tanto, acabei entregando as casas para terminar de pagar os últimos investidores.

Hoje estou livre, deve ter alguma coisinha ainda que vai aparecer ao longo dos anos, mas hoje ganho dinheiro pra mim, não para ter que pagar erros e dívidas.

Vocês não sabem como é  a sensação de fazer fortuna e ter que entrega-la a credores.

O Retorno:

As idéias estavam em alta novamente, resolvi investir em imóveis, escolhi uns apartamentos na planta, as últimas unidades, comprei parcelado, dando um pouquinho de entrada, assim que os aptos acabaram, eu os recoloquei à venda pelo preço de mercado.

Paguei 110 mil cada, dando dez mil de entrada, para vender por 160 mil, investi apenas dez e lucraria cinquenta. A vida começou a sorrir para mim novamente. Logo, com a mente calma, eu inventei um produto que eu não posso contar o que é, com os lucros desta invenção, e com toda a faculdade da vida que tive, consegui dar a volta, com a ajuda do meu primo, e o apoio da família e, principalmente, minha determinação de vencer.

As pessoas que me viraram as costas, não somam nada na minha vida, custou toda minha fortuna descobrir em quem confiar, mas foi um preço a se pagar. Antes, eu tinha vergonha de sair à rua por causa dessa derrota, hoje, eu tenho orgulho do que passei, me tornei uma pessoa melhor, aprendi o valor das coisas e não o preço.

Hoje, sou um empresário melhor, consigo ler uma pessoa totalmente após alguns minutos de conversa, ninguém me engana e me enrola, pois eu tive que enrolar muito e percebo imediatamente quando isso está acontecendo. Falsidade, mentiras, desculpas, tudo isso é decifrável justamente porque fui forçado a praticar isso, quando estava falindo. Eu estive no inferno e voltei. Hoje, caminho de cabeça erguida, sabendo que fui capaz de me erguer.

Para conhecermos os amigos é necessário passar pelo sucesso e pela desgraça. No sucesso, verificamos a quantidade e, na desgraça, a qualidade.

IMG_0936

ACREDITAR SEMPRE!

Por ter passado por tudo isso sozinho, não ter ninguém para me aconselhar, é por isso que tento ajudar o máximo de pessoas que consigo, mostrando como as coisas funcionam, o certo e o errado, o caminho a seguir, e quando as pessoas me dizem que a sua vida acabou, eu sinto vontade de bater nelas, não seja fraco, tudo poderia ser pior, e não há nada que não possa ser consertado, se você tiver força de vontade e determinação.

O caminho é árduo, é sofrido, é cheio de obstáculos, mas você não deve temer nenhum deles, pois eu estarei sempre aqui para ajudá-lo.

Eu vi, eu vivi e, então, eu aprendi.

Baseado nessas palavras, eu crio meus textos, eu não compartilho apenas ideias tiradas de um papel, qualquer um pode fazer isso. Não faço pesquisas em sites, meu arquivo é minha cabeça, não preciso de textos de autoajuda, tudo já está disponível para ser compartilhado. Eu compartilho, com os senhores, experiências. Eu não digo “siga por este caminho porque acho que é o certo.’ Eu digo “siga por este caminho, pois foi o mesmo que eu trilhei, este é certo.’

Somente um líder pode gerar outros líderes. Eu ensino o que eu fiz, o que eu faço e o jeito como disciplino minha mente para que então eu possa lutar pelos meus objetivos. Espero servir de exemplo e nada mais que isso. Quem quer evoluir me escuta, quem não quer, ignora, simples assim. “Não há nada tão equitativamente distribuído no mundo como a inteligência: todos estão convencidos de que têm o suficiente.” (René Descartes)

Conhecimento nunca é demais, somente um tolo está certo de que nada mais tem a aprender. Agora, o que fazer com os conselhos que recebe, isso vai da cabeça e maturidade de cada um.Eu tenho um planejamento, e se tudo continuar assim, quando este livro estiver em suas mãos, eu já terei alcançado meu status de Milionário novamente, pois esta é minha meta e minha realização.

E você, depois de ter lido minha história, acha que é muito difícil conquistar alguma coisa?

Mais algumas dicas essencias para o seu crescimento:

PACIÊNCIA: Separa meninos de homens. Meninos agem por impulso e emoção. Homens sabem esperar o melhor momento de agir e analisam suas decisões com lógica e inteligência.

PERSISTÊNCIA: Covardes desistem ao menor sinal de dificuldade que possa aparecer. Os bravos enfrentam qualquer coisa com um sorriso e confiança de que se pode conquistar tudo o que quer.

ESFORÇO: Preguiçosos não são capazes de lutar pelo que querem, estão fadados a se contentar com o que vier. Os vencedores, ao perceberem que já estão esgotados de tanto trabalhar, decidem trabalhar mais ainda.

Você é um menino, um covarde e um preguiçoso?

Ou você é um homem, corajoso e vencedor?

Não responda a essas perguntas, apenas MOSTRE DO QUE É CAPAZ!

À beira de um precipício, só há uma maneira de andar para a frente: é dar um passo para trás. – (M. de Montaigne). Este é o propósito da conhecida Marcha Ré.

Se você está colecionando fracassos, seus projetos não estão atingindo os resultados esperados, esse é o sinal de que você deve PARAR IMEDIATAMENTE! Refletir sobre as decisões que são tomadas, desapegar do que não dá certo, e traçar um novo rumo para a sua vida. Diante da catástrofe, a primeira coisa que você faz é procurar culpados pela sua falta de sorte. Pule essa etapa, admita o erro e procure meios de consertar, e se não tem conserto, busque outras alternativas.

ACEITAÇÃO: esta é a segunda etapa do desenvolvimento de uma mente madura para enfrentar os problemas e as adversidades. Aceite que as coisas não deram certo (emprego, relacionamentos etc.) Tire a lição de tudo isso e siga em frente, de cabeça erguida, sabendo que não cometerá os mesmos erros novamente e logo uma nova oportunidade poderá aparecer para você. Agora, se você entende meus textos e aprendeu algo, você IGNORA a parte de ficar esperando uma oportunidade cair do CÉU, arma-se com toda a coragem que eu sei que você tem. E VAI ATRÁS DO QUE QUER!!! Vai lá e mostra que você nasceu para vencer, e deixe as lamentações para os perdedores.

Também, não é errado mudar de ideia, errado é bater na mesma tecla dia após dia e esperar um resultado novo. Fuja do comodismo e comece hoje mesmo a traçar um novo rumo para a sua vida. Você é o que você fez durante a sua vida, as suas realizações, comece hoje mesmo a escrever o seu legado, pois no final só resta a marca do homem que você foi e o que você foi capaz de fazer durante a sua vida.

Seja sempre justo com todos, honesto, se está em dificuldade, fale a verdade, não esconda, nada pode ser escondido por muito tempo. Eu poderia ter decretado falência e não ter pago nada mais das contas, mas eu não sou assim, não poderia ter feito isso com as pessoas que confiaram em mim. E além do que, o caminho errado não traz nada de bom. Os dois que me roubaram, estão na mesma hoje, a imobiliária que eles montaram foi à falência, e eles estão trabalhando de empregados em alguma empresa, já nem me importo com isso, eu superei meu passado e não penso em vingança, forte é aquele que pode se vingar mas não se vinga.

Após perder tudo, e eu digo tudo mesmo, quando quebrei, vi que eu realmente não tinha muitos amigos, nem mesmo a mulher com quem eu iria casar, permaneceu do meu lado, poderia ter procurado consolo com drogas, álcool, mas eu não o fiz.

Tentei dar um fim ao sofrimento, se eu tivesse conseguido, olha o que teria perdido? O amanhã pode ser melhor, basta lutar! Eu acreditei que teria sucesso apesar de tudo. E, principalmente, eu percebi e consegui distinguir o valor das coisas, valores que você tem tão próximo, e não consegue ver.

Que estas minhas palavras e minha história sirvam de lição e que você se torne capaz de tirar o máximo proveito, e possa usar como inspiração nos seus projetos.

Esse foi o dia, em 2002, que eu juntei dinheiro fazendo cartão de visita, comprei um terno e sai oferecer a minha primeira ideia, a revista Catálogo de Imóveis.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

18 anos

DSCN1571

16 anos


Não muito diferente de vocês que me seguem. Se eu pudesse alertar esse J.F novinho sobre tudo que ele iria passar, provavelmente não adiantaria de nada, ele não me escutaria, algumas coisas só são aprendidas com a experiência, sejam boas ou ruins.

Melhorei um pouco nos dias de hoje em comparação ao menino da foto.

foto012

É POSSÍVEL A UM HOMEM VOLTAR DO MUNDO DOS MORTOS

Se você acha que tem algo a aprender, é bem vindo e sempre será. Quero passar um pouco do conhecimento e minha meta é tentar poupar meus leitores das aflições que eu passei, seja profissional ou pessoal.

“E você, depois de ter lido minha história, acha que é muito difícil conquistar alguma coisa?

Como dizia um herói da minha infância: “Sigam-me os bons.”

J.F. Rozza – Empresário, Investidor, Educador Financeiro e escritor, formado na vida.

ANUNCIO 0806b