A evolução que esquecemos: Conhecimento – por Rafael Tobelem

A evolução que esquecemos: Conhecimento – por Rafael Tobelem

Quando foi a última vez que você admitiu estar errado? Ou que na verdade não sabia de algo?

Não, não espere uma aula de biologia, o assunto a ser tratado aqui diz respeito a evolução do conhecimento

O que tenho visto a algum tempo são Homens e Mulheres falarem sobre evolução, que querem se desenvolver pessoal/profissionalmente, mas eles simplesmente não querem dar o braço a torcer para certas coisas.

Atenção, o que eu quero falar aqui é relacionado a conhecimento. Até que ponto você julga saber de algo? A Evolução não se dá apenas em desenvolvimento pessoa/profissional, ela consiste em mudança de conceitos e certos valores. Entenda, nem tudo que é novo é ruim e nem tudo que está no passado é bom, deve haver um meio termo nisso.

Quando foi a última vez que você parou para pesquisar sobre algo que falava/falou? Ou tomou algum posicionamento porque alguém de confiança falou que aquilo que ele estava falando era verdade e você simplesmente acreditou?

Nisso eu lhe pergunto algumas coisas, no meio dos homens, principalmente, quando foi que você parou para rever certos “conceitos” ou valores? Por exemplo: Machismo, você sabe o que é de fato? E não estou falando sobre ter lido esses textos sem nenhum embasamento que você encontra produzido por pessoas que nem sequer pararam para avaliar as várias concepções/acepções da palavra. Já estudou sobre o Feminismo? Ou Homofobia? Sabe o que é fundamentalismo? Afinal, para que servem as cotas? Já parou para ler algo Realmente informativo sobre? O que você sabe sobre política? Relações de poder? As questões que norteiam a sociedade atualmente, você está “por dentro”? –se você não gostou de qualquer uma dessas perguntas, pelo motivo de não achar “necessário” saber, então você está estagnado há muito tempo

São algumas perguntas, mas que em algum momento da sua vida você vai ser questionado sobre alguma delas, e não me venha com aquele papo de “minha opinião”, talvez você tenha confundido o que é opinião, então vou lhe explicar rapidamente: Opinião é um gosto pessoal, ou seja, você Gosta de comer chocolate, você gosta de tal serie, uma opinião é algo que diz respeito a seu gosto, ninguém pode manda-lo gostar de algo, você ou gosta, ou não gosta e ponto final, mas isso não tem nada a ver com outras questões, do tipo:  “eu Acho que as cotas/homofobia/política/machismo/feminismo é isso ou aquilo, mas é apenas minha opinião” Não, o que você acabou de dizer na verdade é um posicionamento e quando você se posiciona em relação a algo que não diz respeito a um gosto seu, deve ter o mínimo de sensatez e possuir algum Tipo de Conhecimento acerca daquilo, e não apenas “minha opinião”. Procure informa-se antes de falar algo. Não vá naquela de “meu avô me disse”, informe-se antes, LEIA. Procure várias fontes informativas.

Principalmente para ter algo a falar, assuntos para conversar, você precisa se informar. Há uma famosa frase que diz o seguinte: “Quando falares, cuida para que tuas palavras sejam melhores do que o teu silêncio, e lembre-se que alto deve ser o valor de suas ideias, não o volume de sua voz. Falar sem pensar é disparar sem apontar.” – George Herbert. Pois então, do que adianta se vestir bem, com ótimos perfumes, mas na hora que estiver em uma roda de conversa, não saber se posicionar, ficar como um boneco parado, bebendo e rindo, pois não tem conhecimentos para falar sobre determinado assunto? E mesmo que não tenha, seja um bom ouvinte, procure perguntar sobre e depois ir você mesmo atrás de se informar acerca daquele assunto.

Quando eu falo sobre admitir que não sabe de algo, é porque eu vejo muitas pessoas se posicionarem em relação a alguma coisa e simplesmente não terem o mínimo de conhecimento sobre aquilo; falou apenas porque ACHOU que era aquilo. E sinto em lhe dizer, a vida não costuma ter pena de quem fala por falar.

Por exemplo: Estava em uma aula com alguns professores em uma determinada faculdade e houve o seguinte questionamento relacionado a política “o que você sabe sobre a Redução da maioridade penal?” a maioria dos alunos respondeu da seguinte forma “Eu acho que deve ser reduzido sim, porque se pode matar já pode ser preso”. Com todo o respeito a esse argumento, mas ele simplesmente foi desconsiderado (levaram a menor nota) pela bancada de professores, pois ali não havia embasamento nenhum. Apenas um “achismo”, enquanto que os outros alunos que procuraram se informar sobre o tema, tiveram um maior êxito e souberam se posicionar melhor, pois tinham conhecimento e não “achismo”. Isso foi apenas um exemplo, mas já passei por situações parecidas em entrevistas de empregos dos quais fizeram perguntas relacionados ao “o que você acha sobre a homofobia?” e pode ter certeza, aqueles que seguiram essa linha de pensamento “eu respeito, mas…” bom…já sabem o resultado.

O que quero dizer aqui é o seguinte: Se informe, procure saber, leia antes de falar qualquer coisa que envolve algum tipo de posicionamento. Pessoas que tem conhecimento não costumam perdoar, elas vão olhar para você e perguntar “Leu sobre?” e você vai dizer o que? “Não”? -Que leu em uma página do Facebook? Como a maioria faz, de ler um texto sobre um tema e achar que já sabe tudo sobre aqui – elas simplesmente irão dizer “Então leia antes de falar” -Na melhor das hipóteses.

Pare de achar que existem verdade absolutas e inquestionáveis, pois tudo pode ser problematizado. E para conseguir prosseguir no caminho da evolução não basta apenas perder a timidez, ter boas mulheres/homens, bons empregos. Você tem que buscar Conhecimento, informação para que seu cérebro não atrofie.

Jamais permita que o que você já sabe atrapalhe o que você pode aprender. (Autor desconhecido) A intolerância que tanto vemos hoje em dia é parceira da ignorância.

Questione-se, questione sempre, pois cada vez que você evolui, tudo a sua volta evolui junto com você.

(Dedique uma parte do seu tempo para pesquisar pelo menos alguma pergunta que fiz, já é um começo.)

**

[Rafael Tobelem]

15/08/2015

Rafael Tobelem View more

"Seja a diferença que você quer ver no mundo" e "Faça a diferença sempre para o BEM" São as frases que moldam minha convicção. Tudo o que você vê hoje é resultado dessa convicção. Sou acadêmico de Direito, escritor, autônomo, e não tento fazer a diferença, eu faço. Contato: 041(96) 8108-4165
UA-40371773-1