A ARTE DE SER PACIENTE

DESENVOLVENDO O DOM DE SABER ESPERAR

APRENDENDO A SER PACIENTE

Este é um importante fator que, após aprender a controlá-lo, minha vida foi muito mais fácil. Sempre fui do tipo explosivo, estressadinho, “pavio curto” como diz o ditado popular. Isso afetou consideravelmente a minha vida profissional e muito mais a minha vida pessoal.

Às vezes devemos aprender a sermos flexíveis em certas coisas e nunca ter reações explosivas, seja qual for o assunto que esteja nos estressando.

Nos meus primeiros anos como empresário, eu colecionei alguns inimigos pelo simples fato de não receber muito bem críticas de pessoas fúteis. Sempre vão falar de você – e quase nunca falarão bem de você.

Quando se reúne aquele grupo de amigos no final de semana, eles jamais irão falar “você viu como o J.F é inteligente, saiu do zero e tá por ai desfilando de carrão”. Já dizia o Silvio Santos, se quer obter sucesso na vida, você não deve se importar com os elogios ou com as criticas, deve ser neutro.

O assunto nessas rodas é sempre o fracasso, gostam de gozar dos que tentam e fracassam. Quando eu estava no auge, esses grupos criavam vários tipos de paranóias, “O J.F tá cheio de grana, coisa boa é que não tá fazendo.”

Esse tipo de comentário sempre me enfureceu muito, e eu sempre tinha que ir tirar satisfação, como coisa que eu deveria me importar com o que os outros pensam. Assim, você acaba criando inimigos que ficam loucos para passar uma rasteira na primeira oportunidade que surgir.

Lembro de uma vez, no meu escritório, quando recebi um grupo de outra imobiliária, vieram reclamar de algum imóvel que foi vendido, nós só vendíamos, não éramos responsáveis pela construção. E eu recebi muito mal esse grupo, dei uns gritos e logo fiz minha primeira desavença.

Você deve viver de maneira a evitar conflitos, pessoas inteligentes agem assim.
Aí, quando a minha empresa estava nas últimas, esses mesmos empresários estavam no auge, sua força de formar opiniões era grande, e eles espalharam uma ou duas mentiras por ai, e o destino da minha empresa foi selado. Quando cem pessoas falam a mesma mentira, ela se torna verdade. Hoje, eu tento agir o mais frio possível, com a maior paciência possível. Esse dias um corretor da minha empresa estava fazendo uma venda escondida para não ter que dividir a comissão, os outros funcionários estavam enlouquecidos e querendo ser até agressivos com ele.

Eu mandei todos se acalmarem e fui resolver, com toda calma do mundo.

Expliquei a situação de maneira cortez, mostrei os caminhos que ele teria a seguir, evitei um conflito que seria ruim para a empresa, e ainda consegui que nós recebêssemos a nossa parte da comissão.

Mas, o mais importante, aprendi que a paciência nos faz enxergar o futuro das decisões que tomamos, conseguimos prever o que irá acontecer após as decisões que tomamos.

Você passa a analisar tudo de maneira mais cautelosa, você jamais deve tomar decisões no impulso, tenha a paciência e se dê um tempo para analisar as situações. Todos os maiores erros da minha vida, foram decididos em segundos.

Todas as grandes jogadas da minha vida foram decididas com muita paciência e cautela. Às vezes, temos pressa de conseguir aquilo que almejamos, e isso acaba sendo mais danoso do que prazeroso. Queremos logo um carro, um apartamento, e por isso colocamos os pés pelas mãos.

Hoje em dia, eu já tenho condições de construir prédios, mas coloquei como meta construir em torno de cem casas antes de começar, para ter uma folga gigante antes de construir.

Se fosse o Jader de antigamente, ele era tão destemido, metia a cara em qualquer negócio, com a cara e a coragem, e foi preciso perder tudo para aprender a ter paciência.

Se fosse o de antes, eu teria começado um prédio mesmo se só tivesse dinheiro para fazer as fundações, eu era muito confiante na minha habilidade de fazer dinheiro que iria comprometer o que tinha e o que ainda teria que ganhar. Hoje em dia, eu sou tão ambicioso quanto, mas não sou burro mais. Só começarei a construir prédios, quando tiver capital suficiente para fazer dois prédios inteiros, sem depender de mais nenhum real, e que essa saída de caixa não comprometa a construção de casas, pois se foi assim que ganhei dinheiro novamente, eu parar com isso seria uma extrema burrice.

E ser paciente afeta muitas outras áreas da sua vida, mas não confunda paciência com passo de tartaruga. Se você espera muito para tomar decisões você não está sendo cauteloso, você está com medo de mudanças e de arriscar.

Por isso, seja paciente, mas não fique parado! Apenas analise, com calma, todas as decisões que irá tomar a partir de hoje, ninguém vai morrer, e ninguém vai deixar de fechar um negócio com você se você pedir uma noite para pensar sobre o assunto.

E quanto mais desesperado você estiver, mais fácil será você colocar os pés pelas mãos. Analise bem, quando vamos ao mercado com fome, compramos 10x mais do que precisamos, porque o nosso ser está faminto e isso afeta as suas decisões.

Analise tudo antes de tomar uma grande decisão, isso ajudará muitos os seus negócios, o seu trabalho e os seus relacionamentos.

Até mesmo quando queremos entrar em um relacionamento bom, ficamos afoitos e podemos colocar os pés pelas mãos. Incontáveis vezes.

Podemos nos precipitar e pedir em namoro mulheres que não amamos, somente pela falta de paciência de conhecer a mulher melhor, acabamos assumindo um risco desnecessário. Aquele filme “antes só do que mal casado” é o exemplo perfeito do que quero dizer. Nos relacionamentos, tenha a certeza de conhecer muito bem a pessoa antes de tomar uma grande decisão.

Certamente, muitos já passaram por esse tipo de armadilha. Você fica com ela uma, duas vezes, já acha que é a mulher certa e começa a namorar. Logo após, percebe a burrada que fez e vai dar dor de cabeça conseguir se livrar dessa pessoa.

Você não perde nada quando pensa sobre um assunto, é seu direito, ninguém pode obrigar você do contrário.
Mas também você pode usar esse conhecimento como uma arma. Em meu livro Jovens Investidores, eu falo sobre não dar tempo para o cliente pensar muito. E a lógica é exatamente essa. Se deixar o cliente pensar no final de semana, é quase certo que ele desista do negócio.

Já vivenciei isso estando em ambos os lados. Quando pessoas saem de concessionárias em uma sexta-feira para fechar negócio na segunda, completamente apaixonados pelo carro que escolheram, e na segunda feira acabam comprando outro totalmente diferente. Se decidisse na sexta, compraria algo que lhe agradou muito, mas no final de semana fez pesquisas, acabou achando um investimento mil vezes melhor, pelo simples fato de ter tido a paciência de procurar mais um pouco.

Até mesmo hoje eu passo por coisas assim na empresa, quando um comprador diz que precisa falar com o companheiro e pensar no final de semana, já tenho 90% de chance de não fechar o negócio. Porque no final de semana ele vai em churrasco, vai ver familiares, vai ver amigos, e o assunto será esse, ele pedirá para todos informações, irá pesar e você não vai mais ouvir falar sobre ele. Nos negócios, não deixe o cliente com muitos dias para pensar.

Quando você estiver no lugar do cliente, não decida na hora.

Saiba controlar isso e ninguém será capaz de manipular você e o apressar a tomar decisões de que poderá se arrepender.

J.F Rozza

trilogiacdh

J.F Rozza View more

J.F. Rozza – Empresário, Investidor, Educador Financeiro e escritor, formado na vida.
UA-40371773-1